Publicado em: 13/03/2019 - 17:14:43

Corumbá: Morador tem casa ‘invadida’ por cascavel
 

No último mês, a captura de serpentes temidas pela população tem sido cada vez mais frequente. A ‘invasão das cobras’ chama a atenção e desta vez o caso foi registrado em Corumbá, a 429 km de Campo Grande. A cascavel é considerada peçonhenta e perigosa.


Nesta segunda-feira (11), o Corpo de Bombeiros foi chamado para uma ocorrência no bairro Nova Corumbá. O morador conta que havia uma cobra na varanda que emitia um forte som. O som também é conhecido como ‘guizo’ e é emitido como se fosse um chocalho, quando a cobra movimenta a calda rapidamente. A cascavel faz o movimento quando se sente ameaçada, contou o técnico Waldir José Germano, do Instituto Butantan, à revista Superinteressante.


De acordo com o Corpo de Bombeiros de Corumbá, a cobra tinha cerca de um metro, foi capturada e contida. A cobra foi solta em uma região distante da cidade.


A ‘invasão’ das cobras


No dia 20 de fevereiro, a PMA fez a captura de uma cascavel de 1,3 metro no bairro Chácara dos Poderes na casa de um morador. A PMA (Polícia Militar Ambiental) explica que o veneno dela atua no sistema nervoso, dificultando a locomoção e respiração das vítimas, mas a tendência é que ela tente fugir ao avistar um humano.


Um dia depois, duas cobras foram capturadas também em Campo Grande: uma jibóia e uma jararaca. Já em Coxim, em oito dias, quatro serpentes foram encontradas na área urbana: uma caninana, duas jararacas e uma boca-de-sapo.


 


Foto: Corpo de Bombeiros de Corumbá






No último mês, a captura de serpentes temidas pela população tem sido cada vez mais frequente. A ‘invasão das cobras’ chama a atenção e desta vez o caso foi registrado em Corumbá, a 429 km de Campo Grande. A cascavel é considerada peçonhenta e perigosa.


Nesta segunda-feira (11), o Corpo de Bombeiros foi chamado para uma ocorrência no bairro Nova Corumbá. O morador conta que havia uma cobra na varanda que emitia um forte som. O som também é conhecido como ‘guizo’ e é emitido como se fosse um chocalho, quando a cobra movimenta a calda rapidamente. A cascavel faz o movimento quando se sente ameaçada, contou o técnico Waldir José Germano, do Instituto Butantan, à revista Superinteressante.


De acordo com o Corpo de Bombeiros de Corumbá, a cobra tinha cerca de um metro, foi capturada e contida. A cobra foi solta em uma região distante da cidade.


A ‘invasão’ das cobras


No dia 20 de fevereiro, a PMA fez a captura de uma cascavel de 1,3 metro no bairro Chácara dos Poderes na casa de um morador. A PMA (Polícia Militar Ambiental) explica que o veneno dela atua no sistema nervoso, dificultando a locomoção e respiração das vítimas, mas a tendência é que ela tente fugir ao avistar um humano.


Um dia depois, duas cobras foram capturadas também em Campo Grande: uma jibóia e uma jararaca. Já em Coxim, em oito dias, quatro serpentes foram encontradas na área urbana: uma caninana, duas jararacas e uma boca-de-sapo.






Você pode gostar também



Comentários