Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

FECHAR
> Brasil / Cultura indgena

Publicado em: 27/06/2020 - 22:29:01

Bebês Yanomami são enterrados sem famílias em RR

 Indígenas têm um ritual próprio para enterro e desejam levar os corpos dos filhos para floresta. Dizem ainda que os bebês foram contaminados em unidades de saúde.


Por Fabrício Araújo, G1 RR — Boa Vista


Dois bebês indígenas foram enterrados em Boa Vista sem a autorização das famílias. As mães estão desesperadas a procura dos corpos e o Conselho Distrital de Saúde Indígena Yanomami e Ye'kuana (Condisi-Y) tomou conhecimento dos casos neste sábado (27).


De acordo com o presidente do conselho, Júnior Hekuari Yanomami, os bebês morreram vítimas de Covid-19. Eles foram retirados da Terra Yanomami para fazer outros tratamentos, mas foram infectados pelo coronavírus nas unidades de saúde.



O sofrimento das mães já dura um mês. Elas pedem ajuda do governo federal para recuperar os corpos e cumprir um ritual indígena. O desejo é levar as meninas para serem cremadas na floresta e depois cuidar das cinzas durante um ano, até que chegue a hora de fazer o ritual tradicional.


"Elas estão desesperadas, não conseguem falar, choram demais e imploram para encontrar os corpos destas crianças, querem conseguir cumprir o ritual de seus povos. Elas querem chorar junto de outros Yanomami, fazer o luto dos indígenas mesmo", contou Júnior Yanomami após ter contato com as mães.


O MPF afirma que as investigações iniciais apontam que três bebês indígenas foram enterrados no Cemitério Campo da Saudade, em Boa Vista. O órgão disse ainda que acompanha os óbitos e vai garantir a identificação dos corpos e retorno à terra indígena quando for "sanitariamente seguro".


A menina era recém nascida e foi internada no Hospital Materno Infantil Nossa Senhora de Nazareth - única maternidade de Roraima - em 25 de maio porque a mãe teve complicações no parto. A unidade é administrada pelo governo estadual.


"Nasceu na terra indígena e trouxeram para a maternidade. Ela pegou Covid-19 na unidade, foi esta doença que matou ela", contou o presidente do Condisi-Y. A menina morreu em 25 de , três dias após o nascimento.


Procurado, o governo estadual não se manifestou sobre o caso até a publicação desta matéria.


Já o menino foi levado para o Hospital da Criança Santo Antônio com suspeita de pneumonia grave. A mãe afirma que ele foi infectado pelo coronavírus no local, que é administrado pela prefeitura de Boa Vista.


Mãe e filho são venezuelanos e pertencem a comunidade Awaris. Eles foram removidos para o Hospital da Criança na tarde de 23 de maio. O menino apresentava bastante cansaço, mas não tinha outros sintomas da Covid-19.


"Eu quero, por uma questão de respeito, que o governo resolva esta situação e libere os corpos das crianças para que estas mães façam o ritual em suas comunidades. O Governo Federal, o Ministério da Saúde, o Ministério Público Federal e o Ministério Público de Roraima precisam atuar para resolver esta situação", disse Júnior Yanomami.


A prefeitura de Boa Vista identificou o menino e contou que ele tinha dois meses de idade. Em levantamento próprio, o município descobriu que ele foi sepultado pela funerária Boa Vista na comunidade Xexena. Informou ainda que oito crianças indígenas já testaram positivo para Covid-19.


O município encontrou ainda dois bebês da etnia Macuxi, de três meses cada, que morreram em 24 de maio e 5 de junho. Ambos foram sepultados no Cemitério Campo da Saudade, em Boa Vista, pela funerária Shallon com acompanhamento da mãe.


"As crianças tiveram todo o atendimento e apoio necessários pelas equipes de saúde e que, por tratar-se de indígenas, há um protocolo obrigatório do Hospital da Criança Santo Antônio com o Distrito Sanitário Especial Indígena (DSEI) para sepultamentos e velórios", explicou a prefeitura em nota.


Procurado, o Ministério da Saúde - responsável pelo DSEI - ainda não se manifestou sobre os corpos dos bebês Yanomami.


"Todos os procedimentos do Hospital da Criança até a entrega dos corpos à funerária contratada pelo DSEI estão registrados no livro de ocorrência do Serviço Social do Hospital, com assinatura do responsável pelo translado dos corpos", diz outro trecho da nota da prefeitura.


A Terra Yanomami, é o maior território indígena do país, é dividido entre Roraima e o Amazonas. Segundo o Instituto Socioambiental, há 26.780 indígenas vivendo na região.


O local é alvo da invasão de garimpeiros, a estimativa que haja 20 mil infiltrados. Autoridades temem que os invasores levem o coronavírus para a região e causem genocídio dos Yanomami.


Os próprios indígenas temem um ciclo de violência após dois jovens indígenas serem executados por garimpeiros invasores da região.


1- Cerca de 27 mil indígenas vivem na Terra Indígena Yanomami — Foto: Reprodução/ Hutukara Associação Yanomami
2- Os yanomami vivem numa reserva na Amazônia cuja área é duas vezes maior que a Suíça — Foto: Survival International/BBC




   

G1 RR / Camapuã News

Opiniões

0 Comentários para "Bebês Yanomami são enterrados sem famílias em RR"

Deixe sua opinião

AVISO: As opiniões são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do site camapuanews. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros, ficando seus autores, após identificado o IP, responsáveis civil e penalmente por seus conteúdos.
Nome
E-mail (Não divulgado)
Mensagem
     
+Leia mais notícias

  Mega-Sena acumula e pode pagar R$ 33 milhões na quarta

  Investigação: Quem matou Carla quis dar 'recado'

  Secretário deAgricultura é morto a facadas em barbearia

+Notícias mais lidas da semana

'Dia triste', diz secretário diante de 16 mortes em 24h
91 pacientes estão internados em leitos de UTI
Energia mais cara incentiva uso da energia solar
No MS, foram aplicados mais de R$ 100 milhões do FCO em placas solares neste ano
OLX cria verificação com foto de documento em MS
Medida veio após enxurrada de golpes nas negociações.
Alta velocidade e neblina provocam capotamento de Hilux
Foi na BR-262 sentido Ribas do Rio Pardo. Três se feriram.
Publicidade


2009 © Todos os direitos reservados ao Camapuã News. Este material pode
ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído, desde que citada a fonte.
Marknet®