Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

FECHAR
> Campo Grande / Coronavírus

Publicado em: 09/04/2020 - 19:52:14

Curada depois de internação, mulher recebeu cloroquina

Aos 33 anos, paciente ficou sete dias internada, três dos quais com falta de ar e recebendo oxigênio


Uma lesão aguda no pulmão esquerdo e sete dias de internação. Para a turismóloga Mara Lígia de Rezende, de 33 anos, que não tem nenhum histórico de doença crônica, a covid-19 foi assustadora. Sem nem sequer saber onde ou de quem contraiu a doença, ela se recupera em casa e é monitorada de perto pelas autoridades em saúde.


Quem falou sobre o caso com o Campo Grande News foi o marido dela, Samuel Ferreira, 47, que é piloto comercial. Ele não quer aparecer, por temer discriminação por conta da doença. A esposa dele é uma das 36 pessoas que foram infectadas pelo novo coronavírus em Mato Grosso do Sul e já se curaram.


Samuel disse que foram três visitas ao médico, antes de finalmente ser internada. Para ele, houve demora no diagnóstico e quem sabe, até algum descaso. “Os médicos diziam que os sintomas não eram compatíveis com quadro de coronavírus, então voltávamos para casa”, conta.


Mara sentia dor de cabeça nos primeiros dias e entre o quarto e quinto dia, começou a apresentar tosse. “Nos três atendimentos fomos orientados a tomar dirpirona apenas. Eles falavam que podia ser virose ou gripe, mas não coronavírus”, lembra o marido.


Mas foi na quarta ida ao médico que a situação se apresentou realmente grave. “De domingo para segunda (29 e 30 de março) ela teve uma crise de tosse às 3 horas da manhã e acordou com falta de ar e febre alta, acima dos 38 graus”, revelou Samuel.


O casal foi direto ao Pronto Atendimento do Hospital Unimed em Campo Grande e ao chegar, Mara foi submetida a uma tomografia, que constatou lesão no pulmão esquerdo: pneumonia broncoviral. A partir de então, ela ficou internada.


O marido lembra que os três primeiros dias foram tensos, com a esposa sentindo bastante falta de ar e recebendo oxigênio, mas sem respirar por aparelhos. “Eles já tinham feito um raio-x antes da internação e não tinha nada de errado. Só na tomografia que mostrou”, conta Samuel.


 CLOROQUINA – Seguindo tratamento padrão do Ministério da Saúde para casos mais graves, Mara recebeu doses de Hidroxidocloroquina durante os dias em que esteve internada. “Ela fez o tratamento previsto em protocolo”, explicou o marido.


Mara só teve melhora de quinta para sexta-feira (2 e 3 de março). “Ela foi tratada com cloroquina e no mesmo apartamento que ela, tinham mais cinco pessoas, todas suspeitas de corona”, comentou. Além desse medicamento, Azitromicina e Ceftriaxona também foram usados no tratamento.


Para Samuel, o que mais chamou atenção, inclusive dos médicos que a atenderam, foi o fato de, além de ser jovem, Mara não ter nenhuma cormobidade, ou seja, doença crônica ou prévia que pudesse levá-la ao agravamento do quadro.


- CREDITO: CAMPO GRANDE NEWS


Paciente ficou internada no Hospital da Unimed, em Campo Grande. (Foto: Marcos Maluf)




 

Campo Grande News / Camapuã News

Opiniões

0 Comentários para "Curada depois de internação, mulher recebeu cloroquina "

Deixe sua opinião

AVISO: As opiniões são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do site camapuanews. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros, ficando seus autores, após identificado o IP, responsáveis civil e penalmente por seus conteúdos.
Nome
E-mail (Não divulgado)
Mensagem
     
+Leia mais notícias

  Músico do Grupo Acaba, Vandir pede ajuda para se manter

'O Globo': Inaceitáveis pressões sobre o Supremo

Decisão de Moraes sobre sigilo pode influenciar TSE

+Notícias mais lidas da semana

'Caminho é cadeia ou cemitério', lamenta mãe
A frase é da mãe do adolescente morto durante assalto à policial.
Advogada é presa ao sair de mercado sem pagar compras
Objetos eram carnes, shampoo, fio dental, velas, bolas e roupas somando R$ 817.
MS: Vereador é condenado por receptação de gado furtado
A pena é de quatro anos, quatro meses e seis dias de prisão
Anaurilândia: Onça parda fica noite em árvore da cidade
Fato chamou atenção dos moradores. PMA aguarda técnico do CRAS para levar animal
Publicidade


2009 © Todos os direitos reservados ao Camapuã News. Este material pode
ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído, desde que citada a fonte.
Marknet®