Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

FECHAR
> Mundo / Tecnologia

Publicado em: 13/01/2020 - 09:28:47

Carros elétricos: tecnologia iniciada há mais de anos

No ano passado, a Ford chamou bastante a atenção com a estreia do Mustang Mach-E. Mas carros elétricos não são exatamente uma novidade para a empresa. O fundador da Ford, o lendário Henry Ford, o homem que popularizou o automóvel e criou a linha de produção, trabalhou em pelo menos dois veículos elétricos experimentais por volta de 1913 ao lado do amigo Thomas Edison – aquele mesmo, inventor da lâmpada elétrica incandescente, do fonógrafo, do cinescópio, do microfone de grânulos de carvão para o telefone e autor de diversas contribuições para o cinema. A Ford anunciou, na época, que ambos estavam debruçados sobre um carro elétrico de baixo custo, um protótipo com peças do Modelo T. Ironicamente, foi o sucesso desse carro, mais acessível e movido a gasolina, lançado em 1908, que dificultou a competitividade dos veículos elétricos daquela época. Com a partida elétrica, os modelos a gasolina do T ficaram mais fáceis de se operar. A melhoria das condições das estradas, o petróleo barato e a tecnologia limitada de baterias também ajudaram a manter os elétricos fora das ruas nas décadas seguintes. Porém, no final dos anos 60, a escassez do combustível fóssil e as preocupações ambientais renovaram o interesse pelos veículos movidos a eletricidade.


Em 1967, pesquisadores da Ford desenvolveram o Comuta, um protótipo experimental totalmente elétrico. O subcompacto, alimentado por quatro baterias de chumbo-ácido, tinha autonomia de sessenta e quatro quilômetros com carga total e velocidade máxima de apenas 40 km/h. O carro urbano, com pouco mais de dois metros de comprimento, nunca foi produzido. Em 1979, o programa de pesquisa e desenvolvimento de carros elétricos da Ford criou um Fiesta experimental com bateria de níquel-zinco. O carro, um dos quatro protótipos criados pela marca, tinha uma velocidade máxima de cerca de 100 km/h e autonomia de cento e sessenta quilômetros. Sua bateria de 317 quilos tinha duas a três vezes mais energia por peso do que as de chumbo-ácido e a metade do volume da anterior, mostrando um progresso significativo da Ford nessa área.


No final da década de 80, a marca norte-americana desenvolveu outro veículo elétrico de pesquisa em parceria com o Departamento de Energia dos Estados Unidos. O ETX-II, um Ford Aerostar totalmente elétrico, tinha velocidade máxima de 100 km/h e autonomia de cento e sessenta quilômetros. Inicialmente, era alimentado por uma bateria de chumbo-ácido, depois trocada por uma de sódio e enxofre. Em 1991, o conceito Connecta foi outro grande passo. Sua bateria de sódio e enxofre – inovação da qual a Ford foi pioneira na década de 60 e continuou pesquisando mesmo após outras marcas descartarem a tecnologia, devido a sua complexidade – podia ser recarregada em uma tomada doméstica comum ou em uma especial de 220 V.


Dois anos depois, a empresa desenvolveu a van elétrica Ecostar – baseada no Escort europeu – para um programa-piloto de frotas. O anda e para na cidade provou ser um ambiente adequado para a van, que tinha autonomia de cento e sessenta quilômetros e velocidade máxima de 112 km/h. Uma frota de teste com mais de oitenta Ecostar rodou mais de 1,6 milhão de quilômetros em cidades ao redor do mundo, no entanto, o custo de US$ 45 mil da bateria de sódio e enxofre inviabilizou sua produção. Mais tarde, nos anos 90, a Ford avançou com uma Ranger elétrica, o primeiro veículo 100% “verde” de produção vendido nos Estados Unidos. Mesmo com preço de cerca de US$ 30 mil, a maioria das duas mil Ranger elétricas produzidas de 1998 a 2000 foi vendida ou arrendada para empresas de serviço público e agências governamentais, como o Serviço Postal dos Estados Unidos. Com bateria de chumbo-ácida, a picape tinha velocidade máxima de 120 km/h e autonomia de cerca de noventa quilômetros. A opção de uma bateria de níquel-metal-hidreto, lançada em 1999, deu a ela a mesma capacidade de carga útil da Ranger a gasolina, com autonomia ampliada para cento e sessenta quilômetros.


Na época do lançamento da Ranger elétrica, a Ford entrou no Consórcio de Baterias Avançadas dos Estados Unidos com o objetivo de desenvolver um veículo elétrico acessível com autonomia de sessenta quilômetros, enfrentando os desafios de custo, durabilidade e alcance limitado das baterias de chumbo-ácidas. Nos anos seguintes, a empresa continuou a pesquisar outros tipos de bateria. Veio, então, na Europa, o primeiro veículo elétrico com uma bateria de íons de lítio, baseado no Ka, em 2001. O e-Ka tinha uma autonomia de mais de cento e quarenta e cinco quilômetros e velocidade máxima em torno de 130 km/h.


Já no início do novo século, as montadoras ainda não tinham conseguido produzir um carro elétrico popular e acessível e a atenção se voltou para os híbridos – combinam um motor a combustão a um ou mais elétricos. Em 2004, a Ford lançou um modelo híbrido de produção, o Ford Escape, o primeiro SUV com essa tecnologia feito por uma fabricante da América do Norte, juntamente com o Mercury Mariner Hybrid. O Escape Hybrid acabou sendo eleito o “Utilitário do Ano” nos Estados Unidos e começou a operar em frotas de táxi na cidade de Nova York.


Em 2005, a Ford ousou mais com um veículo movido a célula de combustível, o Focus FCV, que convertia energia química em eletricidade para acionar o motor usando hidrogênio e oxigênio. Esse modelo tinha uma autonomia de cerca de trezentos quilômetros e velocidade máxima de 130 km/h. A empresa passou então a oferecer mais opções híbridas, incluindo os Fusion Hybrid e plug-in (com bateria recarregável em uma tomada), o Lincoln MKZ Hybrid, os C-MAX Hybrid e plug-in e o Focus totalmente elétrico. O novo Escape 2020 ganhou recentemente um sistema híbrido, incluindo uma opção plug-in, oferecendo uma opção com a tecnologia na versão de topo de linha Limited, assim como os Lincoln Aviator e Corsair nas configurações Grand Touring. Esses veículos trazem a tecnologia de bateria de íons de lítio de quarta geração da marca.


Em novembro do ano passado, a Ford apresentou o Mustang Mach-E elétrico em Los Angeles. As reservas da série limitada First Edition se esgotaram rapidamente. Outras versões do Mustang Mach-E, como a Premium e a GT, ainda estão disponíveis para clientes dos Estados Unidos e da Europa. A lista de reservas do Mustang Mach-E revela alguns dados interessantes: o Cinza Carbonized é a cor mais procurada, por 38% dos clientes, seguida do Azul Grabber Metallic (35%) e do Vermelho Rapid (27%). Mais de 80% dos clientes norte-americanos optaram pela bateria de alcance estendido, 55%, pela versão com tração integral e cerca de 30%, pelo GT. Mais de um quarto das reservas vem da Califórnia.


Comuta, foi um protótipo experimental totalmente elétrico desenvolvido em 1967 pela Ford - Foto: Divulgação




 

Correio do Estado / Camapuã News

Opiniões

0 Comentários para "Carros elétricos: tecnologia iniciada há mais de anos"

Deixe sua opinião

AVISO: As opiniões são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do site camapuanews. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros, ficando seus autores, após identificado o IP, responsáveis civil e penalmente por seus conteúdos.
Nome
E-mail (Não divulgado)
Mensagem
     
+Leia mais notícias

  Covid: MS já perdeu 14 profissionais da linha de frente

  Zilu perde 3 processos que movia contra Zezé di Camargo

  Cantor sertanejo e mais 3 morrem em acidente de carro

+Notícias mais lidas da semana

Motociclista morre sofrer acidente na Cônsul Assaf Trad
Foram quatro mortes de motociclistas neste final de semana na Capital
Em passeio de moto, jovem sofre acidente e morre
Ele esta com amigos. Foi na MS-080, próximo a Corguinho.
Delegado com covid continua na UTI e faz hemodiálise
Delegado foi transferido no dia 5 para o Hospital Albert Einstein, em São Paulo
Estado tem 21 mortes registradas nesta terçça-feira(11)
Campo Grande atingiu hoje a marca de 200 mortes
Publicidade


2009 © Todos os direitos reservados ao Camapuã News. Este material pode
ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído, desde que citada a fonte.
Marknet®