Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

FECHAR
> Justiça / Decisão Judicial

Publicado em: 07/12/2019 - 07:54:18

‘Ninguém é obrigado a gostar, mas respeitar é um dever’
Marinalva ganhou ação após 8 anos (Foto: Leonardo de França, Midiamax)


A jornalista Marinalva Pereira, de 59 anos, ganhou na última quarta-feira (4) uma ação por danos morais movida contra um representante de uma emissora de TV, em razão de uma injúria racial ocorrida em 2011. A decisão dos desembargadores da 4ª Câmara Cível foi unânime.


Ao Jornal Midiamax, a jornalista contou ter sido convidada pelo autor, na época, para ajudar na direção da emissora de TV que instalaria uma afiliada em Campo Grande. “Eu apresentava um programa de rádio e fui convidada a participar do projeto, a proposta era muito boa e aceitei. Fui atrás de clientes para a emissora e, com o passar dos meses, fui percebendo que alguma coisa estava errada, pois nosso pagamento não saia”, afirmou.


A jornalista entrou em contato com o dono da emissora e descobriu que o representante não havia recebido autorização para contratar nenhum funcionário, por isso, não tinha conhecimento da dívida. Dias após entrar em contato com o proprietário da rede de TV, Marinalva foi avisada de que o representante havia a difamado e usado expressões racistas.


“Eu sabia que não podia confiar em preto. E essa preta safada e ladra não entra mais aqui. Aquela preta safada roubou até o balde”, disse o autor, na época.


Marinalva procurou a delegacia de polícia e registrou um Boletim de Ocorrência. “Entrei, em seguida, com processo na área criminal e na área cível. Fui lesada, tive que pagar os patrocinadores que havia conseguido, perdi meu carro, tive muito prejuízo”.


Conforme o desembargador Alexandre Bastos, a conduta é tão grave que configurou o crime. “A conduta acima narrada teve o condão de prejudicar, e muito, o ânimo psíquico, moral e intelectual da apelante, ferindo, gravemente, os seus direitos da personalidade como a honra, a privacidade, os valores éticos e a vida social (…)”



“As ofensas de cunho preconceituoso, consistentes no uso de xingamentos inconvenientes para se referir à apelante por meio de preconceitos relacionados à cor da sua pele – com manifesta, covarde e lamentável intenção de diminuí-la num contexto ofensivo, indicativo de inferioridade, configura danos morais que devem ser compensados pecuniariamente”, concluiu o magistrado. Na ação, o desembargador determinou indenização no valor de R$ 15 mil.


Racismo constante


Marinalva relembra casos de racismo que enfrenta desde pequena. “Eu sofro preconceito desde criança. Os professores nos colocavam nos grupos, pois ninguém queria escolher a gente. Ser negro nesse país é muito difícil, mesmo você sendo um doutor”.


A jornalista também afirma que sempre foi orientada pelo pai sobre como lidar com as situações. “Meu pai sempre dizia: você tem que estudar, levantar a cabeça e não olhar para o espelho, pois se olhar, você fica preocupado com sua cor e não vai para lugar nenhum. Você pode não gostar de mim, mas o respeito deve existir”, conta.


Marinalva ganhou ação após 8 anos (Foto: Leonardo de França, Midiamax)




 

Midiamax / Camapuã News

Opiniões

0 Comentários para "‘Ninguém é obrigado a gostar, mas respeitar é um dever’"

Deixe sua opinião

AVISO: As opiniões são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do site camapuanews. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros, ficando seus autores, após identificado o IP, responsáveis civil e penalmente por seus conteúdos.
Nome
E-mail (Não divulgado)
Mensagem
     
+Leia mais notícias

  Por ciúmes, homem esfaqueia mulher em Chapadão do Sul

  Carro aquaplana e capota em lavoura na BR-060

  Pai e filha residentes em Dourados morrem no Paraná

+Notícias mais lidas da semana

Florista baleada pelo ex-namorado morre na Santa Casa
Regiane Fernandes de Farias foi atingida enquanto chegava ao trabalho na Capital
Por ciúmes, homem esfaqueia mulher em Chapadão do Sul
Suspeito foi preso em flagrante; Ele acusava esposa de olhar para outro.
Carreata na Capital comemora 70 anos de festa e devoção
Em Campo Grande, paróquia foi construída em terreno doado por fazendeiro
Menina de 4 anos vai para UTI após picada de escorpião
Ela tem 4 anos e o mesmo nome da menina de 6 que ficou internada no HR daCapital
Publicidade


2009 © Todos os direitos reservados ao Camapuã News. Este material pode
ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído, desde que citada a fonte.
Marknet®