Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

FECHAR
> Política / Desvio de dinheiro

Publicado em: 14/10/2019 - 14:39:10

MS: Ação contra André fica em sigilo e requer bloqueio
Puccinelli e mais onze foram denunciados pelo Ministério Público. (Foto: Marina Pacheco)Puccinelli e mais onze foram denunciados pelo Ministério Público. (Foto: Marina Pacheco)


Transferida para a Justiça estadual por decisão do TRF 3 (Tribunal Regional Federal da 3ª Região), a ação penal contra o ex-governador André Puccinelli (MDB), derivada de denúncia de pagamento de propina pela JBS, tramita em sigilo na 1ª Vara Criminal de Campo Grande. A reportagem apurou que o documento tem mais de 3.600 páginas e pede o sequestro de bens de R$ 391 milhões de 12 pessoas. O processo é da operação Lama Asfáltica, realizada pela PF (Polícia Federal).


Até neste ano, o processo tramitava na 3ª Vara da Justiça Federal de Campo Grande, inclusive com audiências marcadas para ouvir os irmãos Joesley e Wesley Batista, sócios da J&F Participações, proprietária do frigorífico JBS. Primeiro, liminar do desembargador federal Paulo Fontes, do TRF 3, suspendeu a ação penal e cancelou as audiência. Depois, em 27 de maio, a 5ª Turma do TRF 3 determinou, num habeas corpus que tramitou em sigilo, a transferência para a Justiça estadual.


Os pedidos para que as ações da Lama Asfáltica deixem a Justiça Federal são recorrentes pelas defesas, que querem julgamento nas Justiças eleitoral ou estadual. No mês passado, a denúncia foi protocolada pelo MP/MS (Ministério Público de Mato Grosso do Sul). O documento foi encaminhado pelas três promotorias responsáveis pela defesa do patrimônio público para a 2ª Vara Criminal de Campo Grande.


“Entretanto, como tinha conexão com o processo da Lama Asfáltica, a denúncia foi encaminhada para a 1ª Vara”, informa o promotor Humberto Lapa Ferri, titular da 31ª Promotoria de Justiça, por meio da assessoria de imprensa do MP.


Relativa à fase Máquinas de Lama, o processo é sobre crimes de corrupção passiva e lavagem de dinheiro relacionados à concessão de benefícios fiscais pela gestão de Puccinelli a JBS, que tem frigoríficos no Estado. A propina teria sido paga de 2007 a 2015 por meio de notas frias com valores milionários, dinheiro em espécie e doação para campanha eleitoral.


Notas frias - As notas foram emitidas pela Proteco Construções, empresa de João Amorim, num total de R$ 9,5 milhões por locações de máquinas. Instituto Ícone, ligado aos advogados André Puccinelli Júnior e João Paulo Calves; Gráfica e Editora Alvorada/Jafar, de Micherd Jafar Junior; empresas de informática ligadas à época a João Baird (Itel Informática e Mil Tec Tecnologia) e Antônio Celso Cortez (PSG Tecnologia Aplicada).


A lista também tem a Congeo Construção e Comércio, empresa de João Maurício Cance. Ele é irmão de André Cance, que foi secretário adjunto da Sefaz (Secretária Estadual de Fazenda) e apontado como operador de Puccinelli no esquema criminoso. O processo ainda apura desvio de recursos nas obras do Aquário do Pantanal e a MS-040.



Inédito é o Ministério Público simplesmente copiar tudo, reclama Borges. (Foto: Henrique Kawaminami)"Inédito é o Ministério Público simplesmente copiar tudo", reclama Borges. (Foto: Henrique Kawaminami)


O rol de denunciados tem André Puccinelli; André Luiz Cance; João Amorim, dono da Proteco; Elza Cristina, também ligada a Proteco; André Puccinelli Junior, apontado como dono do Instituto Ícone (que seria usado como poupança de propina); João Paulo Calves, que seria “testa de ferro” de Puccinelli Junior; Jodascil Gonçalves Lopes; Micherd Jafar Junior, dono da Gráfica Alvorada; João Roberto Baird, conhecido como o Bill Gates pantaneiro pelas empresas de informática; Antônio Celso Cortez; e Ivanildo Miranda, empresário e delator da Lama Asfáltica.


O reaproveitamento da denúncia do MPF (Ministério Público Federal) pela promotoria é questionado pelo advogado André Borges, que atua na defesa de João Paulo Calves. “Inédito é o Ministério Público simplesmente copiar tudo, ao invés de firmar uma nova e mais correta posição técnica sobre todo o ocorrido”, diz. Segundo ele, caberá ao Judiciário estadual corrigir os exagero que serão demonstrados pela defesa. “O juiz é imparcial , sempre. Disso nasce o necessário equilíbrio no processo”.


Representante de Cance, Baird e André Puccinelli Junior, o advogado José Wanderley Bezerra Alves aguarda a citação dos clientes. “Prefiro me manifestar só depois que meus clientes tomarem conhecimento da ação”. A defesa de Ivanildo Cunha não quis comentar o caso. O Campo Grande News não conseguiu contato com a defesa dos demais denunciados.


Puccinelli e mais onze foram denunciados pelo Ministério Público. (Foto: Marina Pacheco)





 

Campo Grande News / Camapuã News

Opiniões

0 Comentários para "MS: Ação contra André fica em sigilo e requer bloqueio"

Deixe sua opinião

AVISO: As opiniões são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do site camapuanews. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros, ficando seus autores, após identificado o IP, responsáveis civil e penalmente por seus conteúdos.
Nome
E-mail (Não divulgado)
Mensagem
     
+Leia mais notícias

  MPF pede afastamento de Salles, ministro Meio Ambiente

  Porto Murtinho vai escoar 30% da produção do Estado

  Assassino de secretário municipal é preso em barreira

+Notícias mais lidas da semana

'Dia triste', diz secretário diante de 16 mortes em 24h
91 pacientes estão internados em leitos de UTI
Energia mais cara incentiva uso da energia solar
No MS, foram aplicados mais de R$ 100 milhões do FCO em placas solares neste ano
Leia: O historiador que previu uma grave crise em 2020
Adverte ainda sobre período perigoso da História
Prêmio do Nota MS Premiada é dividido por 4 ganhadores
Os vencedores dessa edição são de Campo Grande, Maracaju, Antônio João e Amambai
Publicidade


2009 © Todos os direitos reservados ao Camapuã News. Este material pode
ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído, desde que citada a fonte.
Marknet®