Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

FECHAR
> Ministério Público / Investigação

Publicado em: 14/03/2019 - 13:55:15

Delegado diz não saber que fazendeiro era procurado
Sede da PF em Dourados, onde caso contra delegado também foi apurado. (Foto: DPF/Divulgação)Sede da PF em Dourados, onde caso contra delegado também foi apurado. (Foto: DPF/Divulgação)


O delegado Denis Colares, da Polícia Federal, disse desconhecer que o proprietário rural Dionei Guedin era alvo de investigação ou de mandado de prisão quando, em 22 de agosto de 2016, conversaram por telefone. A afirmação foi encaminhada ao Campo Grande Newspelo advogado do policial, Ângelo Magno Lins do Nascimento, em resposta a reportagem sobre recurso do MPF (Ministério Público Federal) contra o arquivamento de denúncias contra agente e delegados da PF, surgidas no curso de investigações sobre o ataque a indígenas na Fazenda Yvu, em Caarapó –a 283 km de Campo Grande.




Trecho de interceptação telefônica entre Colares e Guedin demonstrou proximidade entre ambos. O produtor rural havia sido alvo de mandado de prisão, ao lado de outros seis agropecuaristas, por suspeita de terem ordenado o ataque a indígenas que, em junho, invadiram a Yvu. O ataque deixou seis feridos e matou o agente de saúde indígena Clodiode Aquileu Rodrigo de Souza, 26.


Em represália, veículos foram incendiados e policiais militares mobilizados para agir na ação agredidos.


Em 22 de agosto de 2016, Guedin dialoga com Colares momentos antes de se entregar, recebendo “dicas” sobre como proceder. A interceptação telefônica da conversa foi citada pelo MPF (Ministério Público Federal), que acusa policiais federais de crimes como falsidade ideológica e contra a fé pública –entre 22 de agosto e 8 de setembro de 2016, teriam usado a estrutura policial para prejudicar investigações, inserindo dados falsos no sistema de escutas judiciais e omitido declarações, entre outras práticas.


“Desabafo” – Sobre a conversa entre Colares e Guedin, o advogado argumenta ter sido provado nos autos que o delegado “não sabia e nem poderia saber que ele (produtor rural) era alvo de investigação ou que contra ele havia mandado de prisão expedido peal Justiça Federal”. O defensor afirma que apenas envolvidos nas apurações tinham acesso a dados do caso, o que excluía Colares.



Após invasão, índios foram alvos de ataque na Yvu, mobilizando forças policiais para a região. (Foto: PMMS/Arquivo)Após invasão, índios foram alvos de ataque na Yvu, mobilizando forças policiais para a região. (Foto: PMMS/Arquivo)


“Porém, ao final da ligação, foi perguntar ao delegado que presidia o inquérito se Dionei era alvo, ao passo que lhe foi respondido que sim”, diz a defesa. A partir disso, Colares teria solicitado abertura de apuração interna na PF para saber se a conversa teria interferido nas apurações. Ele também ligou de volta para Guedin, pedindo que o produtor rural se apresentasse à polícia a fim de ser cumprido mandado de prisão contra si.


O teor da conversa, destaca a nota, foi de “desabafo” de Colares, diante de relações já abaladas entre a PF e o MPF. No telefonema, o delegado aconselha os pecuaristas a “baterem” no Ministério Público Federal.


O advogado reiterou, ainda, que além de apuração interna na Delegacia da PF de Dourados, a Corregedoria em Brasília analisou o caso, concluindo não haver crime a ser apurado, e sim “interpretações equivocadas do que realmente ocorreu”.


Adulteração – Em outro ponto, o delegado rebate à suspeita de que houve inserção falsa de dados no sistema de monitoramento da PF, já que perícia apontou não ter ocorrido adulteração diante de características do programa, que teria proibição e suprimir informações (autorizando apenas a anotação de comentários pelo analista).


Na nota, o advogado afirma que foi autorizada a quebra de sigilo telefônico de seu cliente, que não teria encontrado nada de ilícito.


O MPF apresentou denúncia à Justiça Federal em Dourados sobre o caso, que foi arquivada –resultando no recurso ao TRF-3 (Tribunal Regional Federal da 3ª Região). O advogado de Colares reitera que foi apesentada defesa prévia, sendo apontadas apenas provas levantadas pela Procuradoria no episódio, com a acusação sendo rejeitada.


Após invasão, índios foram alvos de ataque na Yvu, mobilizando forças policiais para a região. (Foto: PMMS/Arquivo)





 

Campo Grande News / Camapuã News

Opiniões

0 Comentários para "Delegado diz não saber que fazendeiro era procurado"

Deixe sua opinião

AVISO: As opiniões são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do site camapuanews. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros, ficando seus autores, após identificado o IP, responsáveis civil e penalmente por seus conteúdos.
Nome
E-mail (Não divulgado)
Mensagem
     
+Leia mais notícias

  Colisão entre carretas e carros mata condutor na MS-306

  Após confusão no PSL, Soraya vai ao TRE contra Trutis

  Homem é morto a tiros em Camapuã no sábado (12)

+Notícias mais lidas da semana

Vacina BCG será testada contra coronavírus em MS
Teste será realizado em profissionais da saúde que ainda não foram infectados
‘Sertanejo ostentação’ revelou lavagem de dinheiro
Polícia Federal investiga 19 pessoas da mesma família em MS, MT e Paraguai
MS: Quatro municípios dobraram população em 20 anos
Em Camapuã houve queda populacional de 16.446 para 13.693, ou seja, 16,7%.
Familiares de casal morto a tiros prestam depoimento
A mulher foi encontrada com o short abaixado
Publicidade


2009 © Todos os direitos reservados ao Camapuã News. Este material pode
ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído, desde que citada a fonte.
Marknet®