FECHAR
> Justiça / Decisão Judicial

Publicado em: 20/01/2018 - 09:55:26

Mulher é condenada por mentir em paternidade do filho

Uma mulher terá que pagar R$ 10 mil ao ex-namorado por mentir sobre a paternidade do filho e fazer com que ele pagasse as despesas de sua gravidez.


Após arcar com gastos durante a gestação, o rapaz descobriu em um teste de DNA, que não era o pai da criança. A sentença foi dada pelo juiz Alessandro Carlo Meliso Rodrigues, da 15ª Vara Cível de Campo Grande (MS).


Ele relatou na Justiça que manteve um relacionamento com a ex, porém, após o rompimento, ela lhe procurou, acompanhada dos pais, para comunicar sobre a gravidez. Ainda segundo ele, foi cobrada sua responsabilidade em assumir a paternidade e os pais de sua ex lhe pressionaram. Por isso, ele arcou com todas as despesas materiais da gravidez, além do parto, e ainda teria sido chamado de irresponsável, por muitas vezes.


Também consta na denúncia, que o rapaz, identificado como D.D.R., que os pais da garota sabiam da armação, já que conheciam os novos relacionamentos de sua filha após o término da relação. Após o nascimento do bebê, fizeram teste de DNA e ficou comprovado que o filho não era do rapaz.


O jovem também relata que tentou obter ressarcimento dos pais da ex-namorada pelas despesas que teve, por isso pediu, em desfavor da sua ex-namorada e de seus pais, uma indenização por danos materiais e morais.


Citados, os pais contestaram as alegações argumentando que, até a realização do DNA, a sua filha estava convicta de que o autor era o pai do bebê, embora confirme que ela teve um relacionamento de poucos dias com outro rapaz após o fim do namoro.


Os pais também disseram que em nenhum momento forçaram D.D.R. a assumir a paternidade ou fizeram qualquer armação, pois o autor teria custeado a gravidez de livre e espontânea vontade, não havendo motivos para ser indenizado.


O juiz analisou as condutas das partes e as provas produzidas e concluiu que não houve comprovação de que a conduta dos pais da garota fossem inadequadas, pois não ficou provada a alegada ofensa ou pressão que pudesse caracterizar o ato ilícito necessário para a indenização.


Já em relação à ex-namorada o juiz reconheceu que ela foi omissa ao não informar o autor da possibilidade dele não ser o pai do bebê, de modo que deve responder pelos danos morais causados, nos termos do artigo 186 do Código Civil porque frustrou a expectativa criada com o anúncio da paternidade.


Foto: Divulgação/Midiamax




 

Midiamax / Camapuã News

Opiniões

0 Comentários para "Mulher é condenada por mentir em paternidade do filho"

Deixe sua opinião

AVISO: As opiniões são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do site camapuanews. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros, ficando seus autores, após identificado o IP, responsáveis civil e penalmente por seus conteúdos.
Nome
E-mail (Não divulgado)
Mensagem
     
+Leia mais notícias

  Estudante de medicina é torturada e morta com16 facadas

  Dilma é hostilizada durante passeio de bicicleta

  Camapuã: Jovem é ameaçada pelo ex e procura a Delegacia

+Notícias mais lidas da semana

Motorista perde controle, carro sai da pista e capota
Quatro pessoas ficaram feridas.
1º Encontro de Violeiros de MS foi exemplar em Camapuã
Milhares de pessoas foram ver duplas de renome nacionais se apresentarem.
Mãe estranha comportamento de filho e descobre estupro
Menino de 8 anos foi estuprado por peão de fazenda.
INFORME: Creche Menino Jesus faz almoço beneficente
Será no dia 19 de agosto, no Salão Conviver
Publicidade


2009 © Todos os direitos reservados ao Camapuã News. Este material pode
ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído, desde que citada a fonte.
Marknet®