Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

FECHAR
> Geral / Geral

Publicado em: 12/01/2018 - 09:13:16

Vigilantes não confirmam versão de estupro em igreja

Vigias que trabalham em um ponto fixo em frente à igreja, onde uma mulher de 34 anos teria sido estuprada prestaram depoimento nesta quinta-feira (11), na delegacia da cidade de Sidrolândia, a 73 quilômetros de Campo Grande, e não confirmaram a versão apresentada da vítima sobre a sessão de tortura.


Durante o depoimento ao delegado que está cuidando do caso Claudio Zotto, da 1º Delegacia de Polícia Civil de Campo Grande, os vigias que fazem a segurança no local negaram a versão da mulher. Um deles contou que por volta das 2 horas da madrugada de quinta (11), ele encontrou a vítima em frente à sua casa, já que ela mora próximo a igreja, pedindo ajuda a ele para pular o muro por que teria sido colocada para fora pelo marido.


Em resposta ao pedido da mulher, o vigia teria dito que este não era o trabalho dele. Ainda de acordo com o ele em nenhum momento teria mencionado o estupro, mas aparentava estar nervosa.


Já por volta das 4 horas da madrugada, em rondas novamente, o vigia viu novamente a mulher em frente à residência de roupão e parecendo fazer uma ligação de um orelhão. Em depoimento, os vigias disseram não ter ouvido pedidos de socorro de ninguém vindo da igreja.


A polícia não encontrou sinais de arrombamento no portão da igreja e nem sinal de que alguém tenha pulado o muro de dois metros. Ainda de acordo com o site Região News, um integrante da igreja afirmou não ter sinais de que alguém teria estado no local.


A vítima também prestou depoimento, passou por exames de corpo de delito e foi encaminhada a uma UPA (Unidade de Pronto Atendimento) para ser medicada.


Tentamos entra em contato com o delegado que cuida do caso, mas obtivemos resposta.


O estupro


Uma mulher de 34 anos foi agredida e estuprada durante seis horas por dois homens, nesta quinta (11). A ‘sessão de tortura’ aconteceu no saguão de uma igreja.


A vítima havia saído de casa para comprar cigarro em um posto de combustíveis que fica próximo ao local onde mora, no caminho, ela foi abordada pelo trio que a levou para o pátio de uma igreja na região.


Além de ser xingada, a vítima foi agredida com socos e chutes e foi violentada por dois dos agressores. Mesmo gritando por socorro a mulher ficou em poder dos criminosos durante seis horas, até conseguiu fugir por volta das 4 horas da madrugada.


A vítima disse à polícia que um dos estupradores tem entre 1,60m e 1,70m de altura, é branco, gordo e vestia uma camiseta amarela e bermuda. Os outros dois ela contou que só conseguiu se lembrar que são magros e morenos.




 

Midiamax / Camapuã News

Opiniões

0 Comentários para "Vigilantes não confirmam versão de estupro em igreja"

Deixe sua opinião

AVISO: As opiniões são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do site camapuanews. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros, ficando seus autores, após identificado o IP, responsáveis civil e penalmente por seus conteúdos.
Nome
E-mail (Não divulgado)
Mensagem
     
+Leia mais notícias

  Anoreg quer fim de fundos que oneram taxas cartorárias

  Renato Aragão deve ir para o programa A Praça É Nossa

  Família procura jovem desaparecida em MS

+Notícias mais lidas da semana

Família procura jovem desaparecida em MS
Família está desesperada e já procurou a polícia
Presa por morte em motel trocou mensagens com suspeito
Fernanda e Patrick Fontoura foram trocadas no dia da morte de Daniel Abuchaim
Menina morta em agressões de colegas é enterrada
Gabrielly era querida na igreja onde cantava e participava de teatros,diz pastor
Avião cai em Chapadão do Sul e mata piloto
Ele decolou por volta das 10 horas em uma fazenda e ia para Juara (MT)
Publicidade


2009 © Todos os direitos reservados ao Camapuã News. Este material pode
ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído, desde que citada a fonte.
Marknet®