Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

FECHAR
> Saúde / Álcool

Publicado em: 03/01/2018 - 17:25:57

Estudo diz como consumo de álcool eleva risco de câncer

Estudo publicado na "Nature" nesta quarta-feira (3) detalha com testes em cobaias como o álcool aumenta o risco do câncer.


Pesquisadores demonstraram que um subproduto da bebida alcoólica, o acetaldeído, provoca danos permanentes ao DNA de células-tronco no sangue.


O risco aumentado do consumo de álcool para o câncer é conhecido. O Inca (Instituto Nacional do Câncer) relaciona o consumo com maior chance de câncer de boca, faringe, laringe, esôfago, estômago, fígado, intestino (cólon e reto) e mama (pré e pós-menopausa).


A diferença com a pesquisa agora é que esse risco foi analisado com detalhes no metabolismo de cobaias -- um avanço em relação a estudos populacionais que chamam a atenção para a relação entre álcool e câncer, mas não explicam como exatamente ela ocorre.


Assim, para tentar explicar a relação, pesquisadores do Laboratório de Biologia Molecular da Universidade de Cambridge fizeram análise de cromossomo e sequenciamento de DNA em cobaias que receberam altas doses de álcool.


Com os testes, eles conseguiram observar que o acetaldeído (um subproduto da metabolização do álcool) danifica células-tronco do sangue. A substância "quebra" o DNA dessas células e leva cromossomos a se rearranjarem de forma aleatória.


O achado é particularmente importante porque os pesquisadores observaram o dano em células-tronco -- como elas têm maior capacidade de se multiplicar e de se diferenciar em diferentes tecidos, mutações nessas estruturas são cruciais para o desenvolvimento de tumores.


Defesa insuficiente


O estudo também demonstrou como o organismo das cobaias tentou se proteger contra esses danos ao DNA causados ​​pelo álcool.


Cientistas observaram que enzimas chamadas de "aldeído desidrogenases (ALDH)" tentam transformar a bebida em fonte de energia, como se elas fossem um alimento.


No entanto, há pessoas que não possuem essas enzimas ou elas não funcionam corretamente. Assim, quando esses indivíduos bebem, o acetaldeído se acumula, o que aumenta a chance de danos ao material genético.


A condição é mais comum no sudeste asiático, região que possui mais indivíduos com deficiência na produção da ALDH.


Em testes, pesquisadores observaram que o dano ao DNA chega a ser quatro vezes maior quando a substância está ausente.


Também, segundo a pesquisa, a depender da quantidade ingerida, o acetaldeído nem sempre é eliminado totalmente -- independente se temos ou não a enzima para metabolizá-lo.


 (Foto: Pixabay)




 

Por G1 / Camapuã News

Opiniões

0 Comentários para "Estudo diz como consumo de álcool eleva risco de câncer"

Deixe sua opinião

AVISO: As opiniões são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do site camapuanews. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros, ficando seus autores, após identificado o IP, responsáveis civil e penalmente por seus conteúdos.
Nome
E-mail (Não divulgado)
Mensagem
     
+Leia mais notícias

  Receita obriga Palmeiras a mudar acordo com a Crefisa

  Marinha abre processo seletivo com quase 500 vagas

  Detentos fazem limpeza no Aquário do Pantanal

+Notícias mais lidas da semana

Família de idoso que morreu no HR pede R$ 3 milhões
Camapuanense morreu após cair de maca.
Homem morre após capotar veículo furtado em rodovia
O criminoso estava fugindo em direção à fronteira.
PRF intercepta maior carregamento de cigarros do país
Flagrante aconteceu em Jaraguari.
Corpo de macaco é encontrado em fazenda de MS
Há suspeita de febre amarela.
Publicidade


2009 © Todos os direitos reservados ao Camapuã News. Este material pode
ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído, desde que citada a fonte.
Marknet®