FECHAR
> Ministério Público / Investigação

Publicado em: 19/09/2017 - 14:57:30

Corretores suspeitam de aluguel 'acertado' pelo MPE/MS








Aumentam os indícios de suposta 'carta marcada' na escolha do prédio que o MPE-MS alugou por R$ 80 mil mensais. Além da ausência de publicidade sobre o processo que justificou a dispensa de licitação, denunciada por corretores de imóveis, agora um empresário do setor imobiliário revelou que ofereceu imóvel semelhante ao 'escolhido' com aluguel de R$ 35 mil.


Quase o mesmo tamanho, localização central e 20 vagas de estacionamento. Essas são as características do prédio que o empresário garante ter oferecido ao MPE-MS (Ministério Público Estadual de Mato Grosso do Sul) em fevereiro deste ano, informando que o aluguel seria de R$ 35 mil mensais. Ele conta que a oferta sequer foi detalhada antes de ser recusada. A justificativa? Segundo ele, o órgão teria afirmado que não estaria procurando imóveis para alugar.


No entanto, sete meses depois, o Ministério divulgou no diário oficial que alugaria um prédio de três andares no Bairro Miguel Couto, em Campo Grande, sem licitação e com aluguel de R$ 80 mil por mês. O empresário, Carlos Roberto Charles Figueiredo Gonçalves, tentou oferecer um imóvel que pertence à filha dele.


Charles é um dos mais tradicionais empresários do setor imobiliário de Campo Grande e teve imobiliária durante vários anos operando em MS. Quando se separou, o prédio que era sede da empresa dele, na Rua Pedro Celestino, a poucos metros da avenida Afonso Pena, ficou para a filha.


Um corretor, amigo do empresário, teria oferecido o imóvel ao órgão, numa conversa supostamente intermediada por uma promotora de Justiça.


“Ele [corretor] disse que a doutora falou apenas que o Ministério Público não estaria interessado em alugar nenhum prédio. Meses depois, a gente vê que alugou um, quase do mesmo tamanho, em uma área não tão central, a R$ 80 mil. Meu prédio tem acabamento de primeira linha, é central e custaria menos da metade por mês, R$ 35 mil reais”.


Carlos diz ainda lamentar o desinteresse do poder público em alugar um imóvel que atenderia tanto quanto o outro por um preço bem menor. “A gente fica triste em ver o país atolado na corrupção como está. Se não tem interesse em alugar mais barato, me parece um caso de possível carta marcada, não é mesmo?”, questiona Charles.


O Ministério Público nega tudo. Em nota oficial, garantiu que cumpriu todos os trâmites exigidos em lei com um processo administrativo com numeração de 2014, incluindo envio de cartas a imobiliárias e avaliação para assegurar o melhor preço. Mas o processo indicado nunca apareceu em comuicados oficiais públicos do MPE-MS até o último dia 11 de setembro, quando foi citado no Diário Oficial do MPMS.


Mais que o dobro


Se comparados os preços, o metro quadrado do prédio do Centro sai a R$ 19,85. Já o prédio do bairro Miguel Couto, de difícil acesso para a população que depende do transporte coletivo, por exemplo, sai a R$ 43,01 o metro. Mais que o dobro.



O imóvel de Carlos tem 1.762 metros quadrados de área construída, 20 vagas de garagem no subsolo, 20 banheiros e quatro andares. “O acabamento é fino. Todo mundo sabe que as vezes o prédio precisa de adequação. Nós faríamos, mas eles [Ministério] disseram que não estavam alugando”.


Segundo o empresário, o corretor afirmou que entrou em contato com ele justamente por ‘ouvir dizer’ que o Ministério estava buscando um prédio. O imóvel, que fica na Rua Luiz Freire Benchetrit, tem cerca de 1,8 mil metros quadrados de construção, três andares e 24 salas.


“Eu trabalhei por anos no setor e é uma incoerência o preço do metro quadrado do bairro ser maior que o do Centro”, pontua Carlos Charles.


Orçamentos?


Em nota, o Ministério Público afirma ter encaminhado cartas-convite para várias imobiliárias de Campo Grande solicitando prédios para alugar. O mesmo prédio teria sido ofertado ao Ministério mediante a carta, mas teria sido recusado. Ninguém sabe o motivo.


Jornal Midiamax entrou em contato com as outras quatro maiores imobiliárias da Capital. Apenas a escritório da Humberto Canale Júnior afirmou ter recebido o tal convite. O responsável pelo setor informou que não tinha disponível o prédio com as especificações pedidas pelo órgão, e que acabou inutilizando o documento com a proposta, sem responder por não ter prédio semelhante ao pedido. “Lembro apenas que eram muitas especificações”, explicou.


Já em maio, corretores anteciparam à reportagem que um processo burocrático detalharia condições bastante específicas para supostamente privilegiar o prédio que já teria sido 'acertado' desde antes do início da construção. "É uma prática muito comum em editais suspeitos que eles mesmos, do MPE-MS, investigam, essa de colocar detalhes específicos para limitar a concorrência", disse à época um corretor que previu com exatidão quem levaria o contrato de locação.


O imóvel alugado pelo órgão é da Multiplik Empreendimentos Imobiliários, de Wilson Fontoura. Em maio, o empresário disse à reportagem que não tinha nada acertado com o Ministério Público, mas negou que tenha sido consultado pelo órgão sobre o aluguel. “Ainda não. Na verdade, estou tentando alugar com eles, também. É um prédio comercial de quatro pavimentos e estou fazendo tratativas, por enquanto”, desconversou.


A proposta, segundo a outra corretora de imóveis, foi encaminhada entre março e abril. Ou seja, antes mesmo do contato com o empresário, que então negou qualquer consulta por parte do Ministério Público Estadual de MS.


Denúncia de corretores


Segundo corretores de imóveis e construtores, a publicação do último dia 11 de setembro anunciando um procedimento administrativo que dispensou licitação para o aluguel no Diário Oficial do MPE-MS seria uma tentativa de 'remendar' burocraticamente a decisão de contratar um imóvel 'de boca'. "Infelizmente vão justificar com uma papelada, mas o fato é que fizeram como muitos políticos fazem. Uma negociata fechada sem publicidade como manda a lei 8666/93", diz um investidor que possui imóveis na região do prédio.


"Eles chamaram o cara e negociaram a construção na planta. Eu aceitaria, se tivesse havido um chamamento público, como manda a lei. Eles podem inventar essa papelada lá dentro, aparecer com processo antigo, mas sabem que nunca publicaram nem num mural que queriam alugar um imóvel nessas imediações. E se eu construísse o mesmo prédio cobrando menos? Não tive a chance de concorrer, como a lei das licitações deveria me garantir. E fica vergonhoso ver essa prática justamente no gabinete do Procurador-Geral. Ele devia dar exemplo", reclama.


“O que aconteceu foi o seguinte. O Ministério Público estava procurando desde o ano passado quem construísse o prédio para eles. Chegaram com a proposta para construir o prédio. É um caso de carta marcada, não tenho dúvida”, diz outro empresário do setor.


A reportagem encaminhou e-mail no último dia 15 de setembro para a assessoria do MPE-MS, Procuradoria-Geral de Justiça, Corregedoria e Ouvidoria do órgão e para a ASMMP (Associação Sul-Mato-grossense de Membros do Ministério Público) questionando se houve contato do corretor sobre o aluguel do imóvel do Centro e se a promotora de Justiça de fato intermediou o contato, supostamente negando a intenção do Ministério em alugar um espaço para as promotorias, e aguarda as respostas, que serão prontamente publicadas aos leitores.


Também foi procurado o dono do imóvel alugado para o Ministério, mas ele não estava no escritório da empresa e não retornou as ligações.


Lavando as mãos


Sobre o processo e as denúncias e suspeitas que rondam a contratação, a Corregedoria-Geral do órgão em MS se limitou a informar que os atos administrativos praticados pelos membros do Ministério são fiscalizados pelo TCE-MS (Tribunal de Contas Estadual de Mato Grosso do Sul).


"As eventuais irregularidades funcionais praticadas no âmbito da Procuradoria-Geral de Justiça são de competência do CNMP (Conselho Nacional do Ministério Público) e cabe à Corregedoria-Geral do MPE-MS orientar e fiscalizar os atos dos membros do Ministério Público, no exercício de suas funções, referentes à atividade fim dos órgãos de execução".


Não há na nota oficial da Corregedoria-Geral, informação de que tenha sido feito eventual comunidado aos órgãos citados sobre o caso.


Fotos: Cleber Gellio (1º- Prédio na Rua Pedro Celestino teria sido ofertado a R$ 35 mil por mês de aluguel; e, 2º- Prédio de três andares alugado a R$ 80 mil, no Bairro Miguel Couto)







   

Midiamax / Camapuã News

Opiniões

0 Comentários para "Corretores suspeitam de aluguel 'acertado' pelo MPE/MS"

Deixe sua opinião

AVISO: As opiniões são de inteira responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do site camapuanews. É vedada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros, ficando seus autores, após identificado o IP, responsáveis civil e penalmente por seus conteúdos.
Nome
E-mail (Não divulgado)
Mensagem
     
+Leia mais notícias

  Estudante de medicina é torturada e morta com16 facadas

  Dilma é hostilizada durante passeio de bicicleta

  Camapuã: Jovem é ameaçada pelo ex e procura a Delegacia

+Notícias mais lidas da semana

Motorista perde controle, carro sai da pista e capota
Quatro pessoas ficaram feridas.
1º Encontro de Violeiros de MS foi exemplar em Camapuã
Milhares de pessoas foram ver duplas de renome nacionais se apresentarem.
Mãe estranha comportamento de filho e descobre estupro
Menino de 8 anos foi estuprado por peão de fazenda.
INFORME: Creche Menino Jesus faz almoço beneficente
Será no dia 19 de agosto, no Salão Conviver
Publicidade


2009 © Todos os direitos reservados ao Camapuã News. Este material pode
ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído, desde que citada a fonte.
Marknet®