Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

FECHAR
> Artigos

Publicado em: 21/05/2012 - 15:07:57

O 'demônio da corrupção' nos Poderes Públicos

Por Etevaldo Vieira de Oliveira*


No Brasil, o que mais se vê são noticiários sobre corrupção e roubalheira do dinheiro público, que vai desde peculato, favorecimentos ilícitos, superfaturamento de obras, enriquecimento dos homens públicos, desvios de verbas para os agentes ou seus parentes, compra ou acerto de voto pelo Executivo quanto aos parlamentares, etc...


Não tem um sequer dia que os noticiários jornalísticos, radiofônicos e televisivos. As denúncias viraram rotina que até parecem coisas normais. Antes se restringiam a poucos, especialmente aos Poderes Legislativo e Executivo. Hoje é generalizado.


Não se salva quase nenhum órgão público, mas, claramente, ainda predomina nos meandros dos Poderes Executivos e seus assessores e dos Poderes Legislativos. No Poder Judiciário, ultimamente, em quase todos os estados da federação, corre boatos e até comprovações, de corrupção, superfaturamento de obras, envolvimento com empresários, super-salários e vantagens ou benefícios indevidos ou moralmente condenáveis.


Nos Poderes Executivos são retratados pelos processos licitatórios fraudulentos, superfaturados, pagamentos caros por materiais e serviços péssimos, favorecimento de amigos e parentes, etc., etc. e etc....


Nos Poderes Legislativos começam com os super-subsídios e vantagens ilegais e imorais. Nepotismo cruzado com os Poderes Judiciários e Executivos da esfera administrativa, bem como com os Tribunais de Contas.


No Poder Judiciário, o que não era tão comum, começou a virar rotina. Constantemente a imprensa divulga atos desabonadores de juízes, desembargadores e ministros. O Conselho Nacional de Justiça (CNJ), em sua curta existência, já sugeriu condenação e afastamento de dezenas de magistrados, em diversos lugares do Brasil. Entretanto, o que mais decepciona a população em geral, são os benefícios concedidos aos magistrados pelos tribunais. É triste o trabalhador 'normal' saber que um 'trabalhador juiz' recebe, mensalmente, só de auxílio moradia, o que aquele demora quase doze meses para receber. É triste para a população ver denúncias de venda de sentenças ou recebimentos de dinheiro para favorecer determinadas situações ou pessoas. Não são muitos casos, mas, em sã consciência, é de se concordar que, no caso da Justiça, não pode se admitir erros grosseiros ou mesmo intencional, pois a instituição "Poder Judiciário", deve ser o baluarte da transparência, verdade e justiça. Tem que ser o exemplo de moralidade  e seriedade.


É de se lembrar que quando o artigo  menciona  “Poderes”, aqui deve ser entendido também as Secretarias de governo, Fundações, Autarquias, Empresas Públicas, Superintendências, e, consequentemente, todos os órgãos que lidam com o dinheiro público.


Na verdade existe um erro até no colóquio anterior: não são os órgãos que lidam com o dinheiro público, são os homens públicos ou políticos que são os responsáveis. Portanto, é errado dizer que a Prefeitura tal, o governo tal, o Tribunal tal, a Superintendência tal, a Polícia ou qualquer outro órgão são ladrões, pois os órgãos públicos em si nada tem a ver com as falcatruas, e, evidentemente, por serem estáticos, não roubam, não corrompem, não desviam dinheiro, etc.


Quem faz essas coisas são os homens dirigentes desses órgãos: presidente, governador, prefeito, senador, deputados, vereadores e toda a gama de exercentes de cargos de direção nesses órgãos. Seja propriamente, ou, como acontece muitas vezes, à mando dos respectivos agentes públicos dirigentes.


QUEM ROUBA, CORROMPE, SUPERFATURA OBRAS, DESVIA DINHEIRO, É CORROMPIDO, PERSEGUE  QUEM FALA A VERDADE, NÃO SÃO OS ÓRGÃOS PÚBLICOS: SÃO OS HOMENS QUE DIRIGEM ESSES ÓRGÃOS PÚBLICOS.


Daí a necessidade de o povo, PRINCIPALMENTE OS ELEITORES, escolherem muito bem os seus administradores: no caso de 2012, escolherem bem o prefeito e vereadores de sua cidade.


Nem sempre o que fala bem (ou mais ‘papudo’) é o melhor; nem sempre o que tem mais apoio político é o melhor; nem sempre o que compra o voto é o melhor; nem sempre o que ‘resolve tudo’ perto de uma eleição é o melhor.


O MELHOR É AQUELE QUE TEM O NOME LIMPO, NÃO TEM HISTÓRICO DE CORRUPÇÃO EM SUA VIDA, QUE VIVE DO SEU TRABALHO E RESPEITA A DIGNIDADE DAS DEMAIS PESSOAS, QUE NÃO TENTA COMPRAR O SEU VOTO, QUE NÃO GASTA MILHARES DE REAIS NA CAMPANHA, QUE SABE, NO MÍNIMO, ADMINISTRAR SUA VIDA PARTICULAR E FAMILIAR. O MELHOR É AQUELE QUE NINGUÉM, MAS NINGUÉM MESMO, É CAPAZ DE ACUSÁ-LO DE SAFADEZA, ROUBO, SONEGAÇÃO DE DÍVIDAS, SEJA A QUE TÍTULO FOR: COMERCIAL, PESSOAL, BANCÁRIA, ETC...


O melhor é aquele que conhece os problemas locais e regionais; que sabe interpretar e decifrar as dificuldades das pessoas ricas e também das humildes e pobres; que é capaz de chorar ou lacrimejar com o sofrimento dos outros; que sabe que a vida é igual um bumerangue, ou seja, você colhe o que planta; que tem seriedade e honestidade para chegar em qualquer lugar de cabeça erguida e defender com altruísmo as suas ideias; que demonstra simpatia, amor e carinho sem parecer arrogante e sem demonstrar ‘um sorriso sem graça’; que presta conta com clareza das suas ações e de sua vida, sem qualquer constrangimento; que alegra com a alegria ou satisfação dos outros e chora ou sofre com o sofrimento alheio. ESSE É O IDEAL.


Entretanto, o iluminado não traz a estrela na testa. Entretanto, traz uma vida inteira anterior, capaz de indicar que o mesmo é o ideal ou no mínimo, melhor que os demais.


Honestidade, responsabilidade, seriedade em seus atos, amor, carinho, dignidade, fraternidade, são característica de personalidade, ou seja, não existe ou aparece por acaso. QUEM AS TEM, NÃO AS PERDE.


Por outro lado, o inverso também é verdadeiro: quem é ou foi desonesto com as coisas públicas ou na vida particular, jamais vai ser honesto; quem não teve responsabilidade e seriedade, jamais vai adquiri-las; quem nunca teve dignidade, jamais vai ser digno; quem nunca demonstrou amor, carinho, fraternidade, jamais vai possui-las.


DEUS transforma o transformável,  entretanto, a índole de cada um é que fala mais alto. Pessoas com qualidades deploráveis ou antissociais, por mais que Deus e os homens a perdoem, jamais vai trilhar os caminhos do bem e da graça. O HOMEM É O QUE ELE QUER SER.


No dia 7 de outubro vindouro, nós eleitores, teremos a grande oportunidade de expulsar do nosso meio o demônio da corrupção, que hoje, como uma voraz serpente, atinge, de forma amena, média ou agressiva, todos os governos e órgãos governamentais; agentes públicos e políticos incautos, que querem “garantir o poder a qualquer custo”.


O dia 7 de outubro será o dia do eleitor.  Nas mãos e na consciência de cada um estará, a partir de 2013, os destinos dos municípios brasileiros. Que sejam honestos consigo mesmo, com  seus filhos, netos e familiares, bem como com o seu Município.


NÃO ALIMENTE O DEMÔNIO DA CORRUPÇÃO. VOTE EM CANDIDATO ‘FICHA LIMPA’.


*É jornalista, escritor e advogado pós graduado em Direito do Estado(Direito Público)



Publicidade


2009 © Todos os direitos reservados ao Camapuã News. Este material pode
ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído, desde que citada a fonte.
Marknet®