Content on this page requires a newer version of Adobe Flash Player.

Get Adobe Flash player

FECHAR
> Artigos

Publicado em: 17/05/2010 - 10:11:17

Uma vitória para os políticos 'Fichas Limpas'

                                                                                                      Por Etevaldo Vieira de Oliveira*


A Câmara dos Deputados, por grande maioria de votos, aprovou o chamado “Projeto Ficha Limpa”, que se aprovado pelo Senado da República, impedirá que políticos com condenação por órgão colegiado, ou seja, Tribunais ou suas turmas, estão impedidos de concorrer a eleições em cargos públicos.


Já foi um grande avanço, pois a sociedade está ávida por mudança no comportamento dos políticos. Hoje, chegamos ao absurdo de aproximadamente 30% dos nossos congressistas estarem envolvidos em processos administrativos ou judiciais. Pior ainda, a maioria deles não foi condenada por órgão colegiado em razão da famigerada imunidade, que abrange deputados estaduais e federais, além de senadores da República.


É bom que se esclareça que os vereadores não são portadores de imunidade (que não podem ser processados, a menos que a Casa autorize), mas sim, apenas de inviolabilidade (não responde processualmente por palavras e atos praticados na circunscrição do território de seu município).


O Projeto aprovado na Câmara dos Deputados, a meu ver, ainda é muito ameno, já que o cidadão comum é impedido de coisas muito mais simples do que representar o povo, se possuir contra si uma certidão positiva de processo ou de dívida. Enquanto isso, há vereadores, deputados e senadores, prefeitos, governadores e presidentes, que respondem a dezenas de processos, como se ser um desses representantes do povo não fosse muito menos importante do que tomar posse em concurso público ou fazer empréstimo bancário.


O exercente de cargo eletivo deve ser exemplo para a sociedade, seja na questão da moralidade, da seriedade com o dinheiro e outros bens públicos, na conduta na sociedade, não ser contraventor (jogador contumaz), não ser assassino, não ser corrupto, corruptível ou corruptor; não ser fraudador ou falsificador, etc, etc, e etc...


Já tivemos deputado reeleito e que havia matado pessoas à golpes de motosserras; temos deputados donos de casas de jogatinas; temos vereadores, deputados estaduais e federais, além de senadores, que foram flagrados  recebendo propinas, e tantos outros casos escabroso.


Entretanto, hoje o cidadão honesto, que quer ver o progresso de fato, tem que analisar muito bem em quem vai votar, principalmente neste ano de eleição para presidente da República, senadores e deputados federais e estaduais. Deve escolher aquele cidadão íntegro, com passado e nome limpos, que tem coragem de falar o que precisa ser falado, capacidade de oitiva e de argumentação transparente.


Ninguém vira honesto ou bom administrador. Ou se é honesto ou não, não existe “meio honesto”. Ou se é bom administrador ou não, não existe “meio competente” ou “meio incompetente”.


Você já viu mulher “meio grávida”? Jamais. Ou ela está grávida ou não está grávida. E ponto final.


Em eleições, não vote em dúvida. Vote na certeza. Portanto escolha bem, pois não só o seu futuro, como o de seus familiares está em jogo.


Cuidado com os “cabos eleitorais”, eles ganham para pedir votos. Vá por você mesmo que você ganha mai


Avante Brasil! Avante Seleção Brasileira! Avante os “Fichas Limpas”.


                                                                     *é advogado e jornalista.







Publicidade


2009 © Todos os direitos reservados ao Camapuã News. Este material pode
ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído, desde que citada a fonte.
Marknet®